Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Superior > Engenharia Elétrica
Início do conteúdo da página

Engenharia Elétrica

Publicado: Segunda, 17 de Janeiro de 2022, 14h08 | Última atualização em Segunda, 03 de Outubro de 2022, 20h33

 

Campus:

Campinas

Forma de ingresso:

ENEM/SISU*

Período:

Vespertino

Requisito:

Ensino Médio Completo

Formato:

Presencial

Oferta:

40 vagas anuais

Duração:

10 períodos (5 anos)

Ingresso:

1º semestre

* Outras formas de ingresso são por meio de processos seletivos simplificados, por reopção de curso, por transferência interna e externa e por reingresso (para portadores de diploma). Acompanhe em nossa página, os editais específicos publicados conforme disponibilidade de vagas.

Engenharia elétrica é o ramo da engenharia que trabalha com os estudos e aplicações da eletricidade, eletromagnetismo e eletrônica. As áreas da Engenharia Elétrica podem ser divididas considerando as suas aplicações, tais como:

  • Sistemas de Energia ou Sistemas de Potência - Geração, transmissão e distribuição de energia elétrica. Podendo atuar em diversas áreas, tais como planejamento, projeto, comercialização de energia, entre outros;

  • Controle e Automação - Controle eletrônico de processos industriais, máquinas eletromecânicas automatizadas, sistemas inteligentes para automação industrial, robótica, entre outros;

  • Eletrônica - Área de Engenharia Elétrica que atua diretamente com dispositivos que utilizam transistores para manipular sinais de tensão e corrente. Dentre as subáreas da Eletrônica, pode-se citar:

    • Instrumentação - Circuitos para aquisição de dados como temperatura, umidade, pressão, entre outros;

    • Sistemas Embarcados - Sistemas que utilizam microcontroladores, processadores, FPGAs, ASICs, entre outros, utilizados em aplicações diversas;

    • Eletrônica de Potência - Conversores eletrônicos para acionamento de máquinas elétricas, geração de energia com fontes de energia, tais como módulos fotovoltaicos, turbinas eólicas e sistemas de baterias, entre outros;

    • Microeletrônica - Área diretamente associada ao Projeto, fabricação e testes de circuitos integrados;

    • Telecomunicações - Ramo da Engenharia Elétrica que contempla o projeto, a implantação e manutenção de redes de sistemas de comunicações (satélites, redes telefônicas, televisivas, emissoras de rádio, Internet e etc.);

    • Sistemas Biomédicos - Ramo associado a especificação, gestão e utilização de equipamentos médico-assistenciais em hospitais, clínicas e laboratórios, além do projeto e construção desses mesmos tipos de aparelhos.

 

Diferencial do Curso

O Curso de Engenharia Elétrica do IFSP Campinas foi elaborado considerando as novas demandas do mundo do trabalho. O aluno é estimulado a desenvolver o espírito empreendedor e inovador ao longo do curso. Além disso, são abordados conhecimentos técnicos atualizados de forma prática, tais como módulos fotovoltaicos, FPGAs, entre outros. Por fim, ao longo do curso o aluno é estimulado a interagir com a comunidade externa (empresas, comunidade próxima ao campus, entre outros) durante as atividades extensionistas. Nessas atividades, o aluno age como protagonista no processo de ensino-aprendizagem, desenvolvendo projetos, cursos, oficinas, eventos ou prestação de serviços.

O curso Bacharelado em Engenharia Elétrica foi instituído pela Resolução Nº 145/2021, de 07 de dezembro de 2021, sendo a estrutura curricular estabelecida como segue:

- Estrutura Curricular

Encontra-se abaixo a representação gráfica de formação do curso:

O Projeto Pedagógico de Curso (PPC) é o instrumento que concentra as informações pertinentes ao curso, sendo um documento de extrema importância e relevância. Norteando os trabalhos para o melhor aprendizado dos estudantes.

- Projeto Pedagógico do Curso Bacharelado em Engenharia Elétrica - Campus Campinas (dezembro de 2021)

O Bacharel em Engenharia Elétrica ou Engenheiro Eletricista é um profissional de formação generalista, que atua na geração, transmissão, distribuição e utilização da energia elétrica. Em sua atuação, estuda, projeta e especifica materiais elétricos, componentes elétricos, dispositivos e equipamentos elétricos e eletrônicos, eletromecânicos, magnéticos, de potência, de instrumentação e controle, de aquisição de dados, de máquinas elétricas e sistemas de comunicação.

O Engenheiro Eletricista planeja, projeta, instala, opera e mantém instalações elétricas, sistemas de medição e de instrumentação, de acionamentos de máquinas, de iluminação, de proteção contra descargas atmosféricas e de aterramento. Além disso, elabora projetos e estudos de conservação e de eficientização de energia e utilização de fontes alternativas e renováveis.

O Engenheiro Eletricista coordena e supervisiona equipes de trabalho, sendo capacitado a ocupar postos de comando e de liderança técnica no ambiente de trabalho, realiza estudos de viabilidade técnico-econômica, executa e fiscaliza obras e serviços técnicos; e efetua vistorias, perícias e avaliações, emitindo laudos e pareceres.

Em sua formação acadêmica agregam-se os principais aspectos políticos, econômicos, sociais, ambientais e culturais da sociedade atual. Em suas atividades, considera a ética, a segurança, a legislação e os impactos ambientais.

O egresso tem um perfil com visão holística e humanista, crítico, reflexivo, criativo, cooperativo, ético, inovador e empreendedor. É comprometido com uma sociedade democrática e socialmente justa, compreende os processos produtivos e o seu papel dentro deles, incluindo as relações sociais.

O egresso do curso de Engenharia Elétrica do Instituto Federal de São Paulo campus Campinas atua nas novas demandas da sociedade e do mundo do trabalho, e se adapta a elas, com postura isenta de qualquer tipo de discriminação, comprometida com a responsabilidade social e o desenvolvimento sustentável.

Fontes:  Referenciais Nacionais dos Cursos de Engenharia; Projeto Pedagógico do Curso Bacharelado em Engenharia Elétrica - IFSP Campus Campinas (Dezembro de 2021).

Mandato atual

Prof. Dr. Guilherme Henrique Favaro Fuzato

Email da coordenação:   O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Plano de Ação da Coordenação do Curso Bacharelado em Engenharia Elétrica

Horário de atendimento do coordenador: 

 

Encontra-se abaixo a listagem atual de docentes do curso Bacharelado em Engenharia Elétrica:

Relatório de Infraestrutura Atualizado (21 de setembro de 2021)*

*Utilizado no processo de abertura do curso Bacharelado em Engenharia Elétrica.

Conforme indicado na LDB – Lei 9394/96 - a avaliação do processo de aprendizagem dos estudantes deve ser contínua e cumulativa, com prevalência dos aspectos qualitativos sobre os quantitativos e dos resultados ao longo do período sobre os de eventuais provas finais. Da mesma forma, no IFSP é previsto pela “Organização Didática” que a avaliação seja norteada pela concepção formativa, processual e contínua, pressupondo a contextualização dos conhecimentos e das atividades desenvolvidas, a fim de propiciar um diagnóstico do processo de ensino e aprendizagem que possibilite ao professor analisar sua prática e ao estudante comprometer-se com seu desenvolvimento intelectual e sua autonomia.

Assim, os componentes curriculares do curso preveem que as avaliações têm caráter diagnóstico, contínuo, processual e formativo e são obtidas mediante a utilização de vários instrumentos, inclusive, desenvolvidos em ambientes virtuais de aprendizagem (ex.: Moodle), tais como:

  1. Exercícios;
  2. Trabalhos individuais e/ou coletivos;
  3. Fichas de observações;
  4. Relatórios;
  5. Autoavaliação;
  6. Provas escritas;
  7. Provas orais;
  8. Provas práticas;
  9. Seminários;
  10. Projetos interdisciplinares e outros.

Os docentes devem registrar no diário de classe, no mínimo, dois instrumentos de avaliação.

A avaliação dos componentes curriculares deve ser concretizada numa dimensão somativa, expressa por uma Nota Final, de 0 (zero) a 10 (dez), com uma casa decimal, à exceção dos estágios, trabalhos de conclusão de curso, ACs e componentes com características especiais.

`

O resultado das atividades complementares, do estágio, do Projeto Final de Curso e dos componentes com características especiais é registrado no fim de cada período letivo por meio das expressões “cumpriu” / “aprovado” ou “não cumpriu” / “retido”.

Os critérios de aprovação nos componentes curriculares, envolvendo simultaneamente frequência e avaliação, para os cursos da Educação Superior de regime semestral, são a obtenção, no componente curricular, de nota semestral igual ou superior a 6,0 (seis) e frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) das aulas e demais atividades.

Fica sujeito a Instrumento Final de Avaliação o estudante que obtenha, no componente curricular, nota semestral igual ou superior a 4,0 (quatro) e inferior a 6,0 (seis) e frequência mínima de 75% (setenta e cinco por cento) das aulas e demais atividades. O estudante que realiza Instrumento Final de Avaliação, para ser aprovado, deve obter a nota mínima 6,0 (seis) neste instrumento. A nota final considerada, para registros escolares, é a maior entre a nota semestral e a nota do Instrumento Final.

Encontra-se abaixo, um resumo a respeito dos critérios de aprovação:

As especificidades avaliativas de cada componente curricular se encontram nos planos de aula. É importante ressaltar que os critérios de avaliação na educação superior primam pela autonomia intelectual.

Encontra-se abaixo o horário dos semestres vigentes do curso.

 

- Horário vigente do curso Bacharelado em Engenharia Elétrica

As solicitações de aproveitamento de disciplinas devem ser enviadas à CRA no prazo indicado no calendário acadêmico.

De acordo com a organização didática dos cursos superiores vigente, para requerer o aproveitamento de estudos, os seguintes documentos devem ser enviados:

  • Requerimento de aproveitamento de estudos;
  • Histórico escolar, contendo o nome do curso e dos componentes curriculares, com especificação do período, porcentagens de frequência, carga horária e notas;
  • Estrutura curricular e/ou desenho curricular;
  • Programas, ementas e conteúdos programáticos, bem como a carga horária dos componentes curriculares cursados com aproveitamento, na escola de origem ou no IFSP que sejam equivalentes à disciplina pleiteada

Encontra-se abaixo o requerimento a ser preenchido para requerer o aproveimento de estudos:

- Requerimento de aproveitamento de estudos

O curso Tecnologia em Eletrônica Industrial encontra-se em processo de extinção no campus Campinas. Para facilitar o processo de transferência do curso Tecnologia em Eletrônica Industrial para o curso Bacharelado em Engenharia Elétrica, foi elaborada a seguinte planilha com as disciplinas que podem ser aproveitadas:

- Tabela de Equivalência de Disciplinas Entre os Cursos Bacharelado em Engenharia Elétrica e Tecnologia em Eletrônica Industrial

Os alunos do curso podem utilizar a oficina de prototipagem (B002) para o desenvolvimento de protótipos associados ao trabalho de iniciação científica, trabalho de conclusão de curso, além de atividades regulares experimentais de compoenentes curriculares.

Para o uso da oficina, é necessário estar acompanhado da presença do professor responsável ou do técnico de laboratório.

O espaço é de uso compartilhado, por isso é necessário manter o espaço organizando, prezando pelas regras de segurança durante o uso do espaço.

O email para contato com a oficina é o seguinte O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

O Projeto Final de Curso, para os estudantes do curso Engenharia Elétrica no campus de Campinas do IFSP, é componente curricular obrigatório, estando consignadas 150 horas destinadas ao trabalho do estudante, as quais serão acrescidas à carga horária mínima do curso.

O Projeto Final de Curso caracteriza-se por ser um exercício de pesquisa, criação, construção, avaliação e reflexão e tem como um de seus objetivos sistematizar o conhecimento adquirido no decorrer do Curso, tendo como base a articulação teórico-prática. Os alunos são incentivados ao estudo de problemas locais, regionais e nacionais, buscando apontar possíveis soluções no sentido de integrar a instituição de ensino à sociedade.

O Projeto Final de Curso deve evidenciar a capacidade do aluno em tratar problemas de engenharia. Dessa maneira, é importante que os seguintes pontos sejam observados:

  • Apresentação do problema central do trabalho de formatura;
  • Formulação no formato de um problema de engenharia;
  • Definição de escopo;
  • Revisão de literatura;
  • Desenvolvimento metodológico (inclusive com a parte experimental quando pertinente);
  • Conclusão e
  • Especificação do material bibliográfico consultado.

Encontram-se abaixo, orientações gerais a respeito do Projeto Final de Curso:

  • Carga horária: 150 horas a serem cumpridas a partir do sexto semestre do curso.
  • Forma de Apresentação: os trabalhos de Projeto Final de Curso serão desenvolvidos de modo individual e os métodos de avaliação podem ser realizados pela elaboração e apresentação de uma monografia ou pela submissão e aprovação de um artigo científico em uma revista científica indexada. A monografia pode incluir, além de trabalho de pesquisa, desenvolvimento de protótipos, estudo de casos e trabalhos de extensão associados aos elementos do curso de Engenharia Elétrica.
  • Orientação: a orientação do Projeto Final de Curso poderá ser realizada pelos professores do Curso de Engenharia Elétrica; professores de outros cursos do IFSP também poderão ser credenciados como professores orientadores. Caberá aos professores orientadores a realização de encontros para apresentação e discussão do projeto, bem como a orientação para utilização de laboratórios e equipamentos necessários ao trabalho e a orientação para o desenvolvimento da monografia. Os encontros de orientação deverão ser devidamente registrados.
  • Coordenação: a Coordenação do Curso designará professor para a coordenação geral do Projeto Final de Curso , cabendo ao mesmo, entre outras coisas, a definição do calendário de atividades, a divulgação da lista de professores orientadores e respectivos temas bem como, ao final, a formação das bancas examinadoras para a arguição oral.
  • Avaliação: no método de avaliação pela elaboração e apresentação de uma monografia, a mesma será submetida à apreciação de uma banca examinadora constituída por três professores, sendo um deles, necessariamente, o professor orientador.

Estão listados abaixo outros documentos importantes relativos a elaboração de Trabalho de Conclusão de Curso:

- Carta de aceite do orientador.

- Modelo de TCC em Latex.

Mais informações a respeito do TCC podem ser encontradas no site da biblioteca do Campus Campinas.

O Estágio Curricular Supervisionado é considerado o ato educativo supervisionado envolvendo diferentes atividades desenvolvidas no ambiente de trabalho, que visa à preparação para o trabalho produtivo do educando, relacionado ao curso que estiver frequentando regularmente. Assim, o estágio objetiva o aprendizado de competências próprias da atividade profissional e a contextualização curricular, objetivando o desenvolvimento do educando para a vida cidadã e para o trabalho.

Para realização do estágio, deve ser observado o Regulamento de Estágio do IFSP, Portaria nº. 1204, de 11 de maio de 2011 Portaria nº. 1204, de 11 de maio de 2011, elaborada em conformidade com a Lei do Estágio (Nº 11.788/2008), dentre outras legislações, para sistematizar o processo de implantação, oferta e supervisão de estágios curriculares.

O estágio supervisionado para o curso de Engenharia Elétrica do campus Campinas é obrigatório e são destinadas 300 horas à essa atividade. Neste sentido, o IFSP oferece, por meio de suas coordenadorias específicas e conforme seus regulamentos, supervisão para os alunos interessados em realizar o estágio supervisionado. Durante o período de estágio, caberá ao aluno estagiário atuar em uma ou mais frentes de formação da Engenharia Elétrica.

  • Inicio: o Estágio Supervisionado obrigatório pode ser realizado a partir do 2º semestre do curso, ou ainda a partir do 1º semestre, mediante avaliação do colegiado do curso.
  • Carga horária: a carga horária mínima para a realização do Estágio Supervisionado obrigatório previsto para o curso Engenharia Elétrica do campus Campinas é de 300 horas, com duração máxima da jornada de atividade de estágio respeitando os incisos I, II e § 1º do art. 10 da Lei 11.788/2008. O contrato de estágio terá sua validade apenas durante o período em que o aluno mantiver matrícula ativa e frequência regular com a instituição de ensino no curso em questão. Além disso, a duração máxima de um contrato de estágio e possíveis termos aditivos posteriores não poderá ultrapassar o determinado no art. 11 da Lei 11.788/2008.
  • Acompanhamento e orientação: o Professor Orientador de Estágio será indicado pelo coordenador do curso, quando for o caso, conforme Art. 22 da Portaria nº 1204/2011 que regulamenta o estágio do IFSP, sendo designado pelo diretor geral do campus mediante portaria.
  • Supervisão: é obrigação da Concedente do Estágio a designação de funcionários/servidores de seu quadro de pessoal como Supervisor de Estágio, com formação ou experiência profissional na área de conhecimento desenvolvida no curso do estagiário, cabendo a este supervisionar e acompanhar as atividades do estagiário.
  • Coordenação: de acordo com o artigo 18 da Portaria IFSP Nº 1.204, de 11 de maio de 2011, a responsabilidade pela coordenação do estágio é da Coordenadoria de Extensão (CEX), devendo essa coordenadoria apoiar e coordenar as atividades do Professor Orientador de Estágio.
  • Formas de apresentação: estão previstos diversos instrumentos, detalhados no Manual do Estagiário IFSP, para possibilitar a apresentação das atividades desenvolvidas pelo estagiário. O aluno deverá descrever as atividades desenvolvidas durante o período de estágio, caracterizando a atuação, etapas de realização e as dificuldades técnicas encontradas na forma de um relatório de acompanhamento. Os relatórios serão regularmente apresentados ao professor responsável.
  • Convênios: compete à Coordenadoria de Extensão propor Convênios de Concessão de Estágio, quando for o caso, bem como supervisionar os Termos de Compromisso. A CEX, com o apoio do Professor Orientador de Estágio, deve prestar atendimento às empresas ofertantes de vagas de estágio, divulgando suas ofertas, bem como divulgar o perfil do Curso junto às possíveis Concedentes. É facultado ao IFSP celebrar Convênios de Concessão de Estágio com entes públicos e privados que atendam aos seus objetivos e regulamentos. A celebração de Convênio de Concessão de Estágio entre o IFSP e a parte concedente não dispensa a celebração do Termo de Compromisso, a ser firmado, obrigatoriamente, entre o IFSP, a parte concedente e o educando.
  • Documentos e requisitos necessários: são requisitos necessários à concessão do estágio os estabelecidos no art. 3º da Lei n° 11.788/2008 e a Portaria 1.480/2011 do IFSP. Sendo eles:
    • Matrícula e frequência regular do aluno;
    • Celebração de termo de compromisso entre o educando, a parte concedente do estágio e a instituição de ensino;
    • Compatibilidade entre as atividades desenvolvidas no estágio e as previstas no termo de compromisso.

Mais informações podem ser encontradas no portal da coordenação de extensão do campus

As Atividades Complementares têm a finalidade de enriquecer o processo de aprendizagem, privilegiando a complementação da formação social do cidadão e permitindo, no âmbito do currículo, o aperfeiçoamento profissional, agregando valor ao currículo do estudante. Frente à necessidade de se estimular a prática de estudos independentes, transversais, opcionais, interdisciplinares, de permanente e contextualizada atualização profissional, as ACs visam uma progressiva autonomia intelectual, em condições de articular e mobilizar conhecimentos, habilidades, atitudes, valores, para colocá-los frente aos desafios profissionais e tecnológicos.

As Atividades Complementares no Curso são opcionais e podem ser realizadas ao longo de todo o curso de graduação, totalizando 80 horas. Todas as Atividades Complementares são contabilizadas mediante apresentação de documentação comprobatória por parte do estudante interessado, sendo validadas pelo coordenador do curso.

Para ampliar as formas de aproveitamento, assim como estimular a diversidade destas atividades, apresentamos a seguir uma tabela com algumas possibilidades de realização e a respectiva regulamentação:

- Tabela de Atividades Complementares.

O NDE (Núcleo Docente Estruturante) é um órgão consultivo e de assessoramento em cada curso superior do IFSP, responsável pela concepção, implementação e atualização do PPC (Projeto Pedagógico do Curso).

- Resolução Normativa IFSP n.º 01/2022, de 08 de março de 2022. Dispõe sobre o Núcleo Docente Estruturante (NDE).

As portarias dos mandatos do NDE desde a sua primeira formação encontram-se no endereço eletrônico abaixo:

- Portarias designando o NDE.

O Colegiado de Curso é um órgão de função propositiva, consultiva e deliberativa no âmbito de cada curso de graduação para assuntos de política de ensino, pesquisa e extensão, em conformidade com as políticas e diretrizes da instituição.

Para garantir a representatividade da comunidade acadêmica, o colegiado possui em sua composição mínima:

  • 70% (setenta por cento) de docentes;
  • 10% (dez por cento) de discentes;
  • 10% (dez por cento) de técnicos administrativos com formação em educação.

- Instrução Normativa PRE IFSP nº 14, de 18 de março de 2022. Dispõe sobre o Colegiado de Curso.

As portarias dos mandatos do Colegiado de Curso desde a sua primeira formação encontram-se no endereço eletrônico abaixo:

- Portarias designando o Colegiado de Curso.

Determinados componentes curriculares necessitam de competências específicas abordadas em componentes curriculares ministrados anteriormente, para um melhor desenvolvimento de processo ensino-aprendizagem. Neste contexto, encontra-se abaixo a tabela as componentes curriculares que possuem pré-requisitos para serem cursadas.

De modo a respeitar o percentual mínimo de atividades de extensão de 10% da carga horária total para integralização dos componentes curriculares do curso, previsto na Resolução CNE/CES nº 07/2018 e na Resolução Normativa IFSP Nº 05/2021, a curricularização da extensão no curso de Engenharia Elétrica se dá pela implementação de quatro projetos de extensão com características interdisciplinar e transdisciplinar.

As atividades de extensão devem ser pautadas pela interação dialógica da comunidade acadêmica com a sociedade, tendo o estudante como protagonista na execução dos projetos de extensão.

O método/atividade de ensino, bem como as ferramentas e técnicas serão diversificadas, como por exemplo: projetos, oficinas, aulas presenciais, workshops, vídeo aulas, eventos, prestação de serviços, dentre outras. Na escolha das ferramentas e execução dos projetos, deverão ser observadas as necessidades da comunidade externa envolvida, o contexto de execução do projeto e a disponibilidade de recursos existentes. Os projetos de extensão, bem como as atividades associadas aos projetos devem ser registradas no sistema acadêmico vigente.

Os quatro projetos de extensão foram elaborados de maneira lógica e sequencial, considerando o perfil do egresso. Neste contexto, com o intuito desenvolver a visão humanística do egresso, o primeiro projeto de extensão, com uma carga horária total de 83,3 horas, que é realizado preferencialmente com as turmas do 1º e 2º semestres, tem como tema central “Engenharia e Sociedade”.

Os temas do segundo e terceiro projetos de extensão estão em sintonia com a formação generalista do Engenheiro Eletricista, sendo eles “Eletrônica” e “Energia” respectivamente. Mais especificamente, o segundo projeto de extensão, com tema "Eletrônica", é realizado preferencialmente nos 5º e 6º semestres, com uma carga horária total de 75,0 horas. Já o terceiro projeto de extensão, com tema “Energia”, é realizado preferencialmente nos 7º e 8º semestres, com carga horária total de 123,25 horas.

Por fim, no quarto projeto de extensão, o aluno deve buscar dialogar com a comunidade externa com o intuito de realizar um projeto de “Extensão Tecnológica”, aliando ensino, pesquisa e extensão. Este projeto de extensão é desenvolvido preferencialmente no 9º semestre do curso e possui uma carga horária total de 83,4 horas.

Encontra-se na pasta eletrônica abaixo alguns registros das atividades extensionistas do curso Bacharelado em Engenharia Elétrica do IFSP Campinas:

- Registros de atividades vínculadas à curricularização da extensão.

registrado em:
Fim do conteúdo da página